quinta-feira, 16 de julho de 2015

 De tudo que admiro, que desejo, que anelo;
 A Ti, guardei nos átrios da divina
 Esperança. Acima das leis e das doutrinas
 Tu vives, sem cartilha, do que é belo.

Mesmo ao homem que te fere com cutelo,
 És a eficaz – e infalível – lamparina;
 És o alimento, o nutriente; a vitamina,
 E um abrigo suntuoso, qual um castelo.

Ai dos homens que te exilam, nua;
 Dos que te trancam casa afora, na rua,
 Que repudiam Tua glória eterna.

Mas, mesmo a eles, perdoas; pois conheces,
 E sabes que Te invocarão nas preces;
 E Tu te aproximarás: com paz; materna.
Fábio Rezende

3 comentários:

  1. Um cristão sem Fé, é um ser desacreditado que caminha na escuridão, quem perde a Fé, perde também a essência. Sua poética é pura poesia , saída do coração.
    Abçs!

    PS: Estou seguindo seu blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo carinho e pelas afáveis palavras!

      Excluir
  2. Boa noite, Fábio! Parabéns pelo blog, pelas poesias lindíssimas, repletas de sentimentos, de verdades e escritas com a caneta do seu coração cheio de amor e sabedoria. Essa poesia da fé, expressa o real sentido do acreditar para ser feliz, da fé que move montanhas e da fé que é farol a nos apontar o caminho de Deus. Encantada, abraços!

    ResponderExcluir